Outra solicitação para que Lula participasse do debate já havia sido rejeitada por decisão monocrática de uma juíza substituta do TRF-4

SÃO PAULO – O PT entrou com um mandado de segurança no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) na manhã desta quarta-feira (8) pedindo a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no debate que será realizado pela Band na quinta-feira (9). A 4ª Sessão da corte, composta pela 7ª e 8ª Turmas do tribunal, avaliará o pedido.

Outra solicitação para que Lula participasse do debate já havia sido rejeitada por decisão monocrática de uma juíza substituta do TRF-4. Se o petista for impedido de participar do debate, o partido quer que a TV Bandeirantes mantenha uma cadeira vazia com o nome de Lula no estúdio em que o debate será realizado. O PT planeja ainda a realização de uma transmissão ao vivo nas redes sociais com Fernando Haddad, vice de Lula, e Manuela D’ávila (PCdoB).

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou no domingo (5) uma carta à Executiva Nacional do PT indicando Haddad para ser o candidato a vice na chapa da legenda. Na carta, Lula apontou ser possível o nome de Manuela D’Ávila, atual candidata à presidência pelo PCdoB, para compor a chapa. Contudo, deixou a decisão para a executiva do PT. 

No entanto, a estratégia da coalizão de esquerda começou a vislumbrar problemas no horizonte. A indicação de Haddad como vice de Lula para ser o porta-voz do projeto petista neste momento da corrida presidencial e o acordo para que D’Ávila componha a chapa mais tarde reforçam a ideia de que já há um “plano B” em curso.

A sinalização, apesar de política, pode oferecer dificuldades na manutenção da briga na Justiça Eleitoral pela candidatura de Lula, preso há quatro meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Essa é a leitura de Cristiano Vilela, advogado especialista em direito eleitoral e sócio de Vilela, Silva Gomes & Miranda Advogados. Para ele, a estratégia pouco ortodoxa petista não deveria influenciar no comportamento dos ministros do TSE, mas a história pode ser diferente na prática.

O prazo máximo para uma possível substituição da candidatura de Lula é 17 de setembro, 20 dias antes do primeiro turno. Nesta data, o partido pode escolher insistir no nome do ex-presidente (cenário improvável) ou alterar a chapa. Hoje o nome mais cotado é Haddad.

Fonte: https://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/7556110/entra-com-mandado-seguranca-pedindo-lula-debate-band

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

VSG Advogados

Orgulhosamente desenvolvido por EscaEsco Comunicação.